Seguidores

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Jabuticaba: nossa pequena é notável!!!

Sessão Saúde e Prevenção

Texto enviado pelo Dr. Luiz Carlos Jorge, obrigada pela colaboração.

Fruta 100% brasileira. É dela que estamos falando. Discreta no quintal de nossa casa, ela contém teores espantosos de substâncias protetoras do peito. Ganha até da uva e provavelmente do vinho, que são festejados no mundo inteiro por evitarem infartos. Você vai conhecer agora uma revelação científica - e das boas - que acaba de cair do pé.

A química Daniela Brotto Terci nem estava preocupada com as coisas que se passam com o coração. Tudo o que ela queria, em um laboratório da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), no interior paulista, era encontrar na natureza pigmentos capazes de substituir os corantes artificiais usados na indústria alimentícia. E, claro, quando se fala em cores a jabuticaba chama a atenção. Roxa? Azulada? Cá entre nós, jabuticaba tem cor de... jabuticaba. Mas o que tingiria a sua casca? A cientista quase deu um pulo para trás ao conferir: enormes porções de antocianinas foi a resposta. Desculpe o palavrão, mas é como são chamadas aquelas substâncias que, sim, são pigmentos presentes nas uvas escuras e, conseqüentemente, no vinho tinto, apontados como grandes benfeitores das artérias.

Daniela jamais tinha suspeitado de que havia tanta antocianina ali, na jabuticaba aliás, nem ela nem ninguém. "Os trabalhos a respeito dessa fruta são muito escassos", tenta justificar a pesquisadora, que também mediu a dosagem de antocianinas da amora. Ironia, o fruto da videira saiu perdendo no ranking, enquanto o da jabuticabeira... Dê só uma olhada (o número representa a quantidade de miligramas das benditas antocianinas por grama da fruta):

• jabuticaba: 314
• amora: 290
• uva: 227

As antocianinas dão o tom. "Se um fruto tem cor arroxeada é porque elas estão ali", entrega a nutricionista Karla Silva, da Universidade Estadual do Norte Fluminense, no Rio de Janeiro. No reino vegetal, esse tingimento serve para atrair os pássaros. "E isso é importante para espalhar as sementes e garantir a perpetuação da espécie", explica Daniela Terci, da Unicamp. Para a Medicina, o interesse nas antocianinas é outro. "Elas têm uma potente ação antioxidante", completa a pesquisadora de Campinas. Ou seja, uma vez em circulação, ajudam a varrer as moléculas instáveis de radicais livres. Esse efeito, observado em tubos de ensaio, dá uma pista para a gente compreender por que a incidência de tumores e problemas cardíacos é menor entre consumidores de alimentos ricos no pigmento. Ultimamente surgem estudos apontando uma nova ligação: as tais substâncias antioxidantes também auxiliariam a estabilizar o açúcar no sangue dos diabéticos.

Se a maior concentração de antocianinas está na casca, não dá para você simplesmente cuspi-la. Tudo bem, engolir a capa preta também é difícil. A saída, sugerida pelos especialistas, é batê-la no preparo de sucos ou usá-la em geléias a boa notícia é que altas temperaturas não degradam suas substâncias benéficas.

Os sucos, particularmente, rendem experiências bem coloridas. A nutricionista Solange Brazaca, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), em Piracicaba, interior paulista, dá lições que parecem saídas da alquimia. "Misturar a jabuticaba com o abacaxi resulta numa bebida azulada", ensina. "Já algumas gotas de limão deixam o suco avermelhado." As variações ocorrem devido a diferenças de Ph e pela união de pigmentos ácidos. Mas vale lembrar a velha máxima saudável: bateu, tomou. "Luz e oxigênio reagem com as moléculas protetoras", diz a professora. Não é só a saúde que sai perdendo: o líquido fica com cor e sabor alterados.

Aliás, no caso da jabuticaba, há outro complicador. Delicada, a fruta se modifica assim que é arrancada da árvore. "Como tem muito açúcar, a fermentação acontece no mesmo dia da colheita", conta a engenheira agrônoma Sarita Leonel, da Universidade Estadual Paulista, em Botucatu. A dica é guardá-la em saco plástico e na geladeira. Agora, para quem tem uma jabuticabeira que privilégio! , a professora repete o que já diziam os nossos avós: "Jabuticaba se chupa no pé".

O branco tem seu valor
A bioquímica Edna Amante, do laboratório de frutas e hortaliças da Universidade Federal de Santa Catarina, destaca alguns nutrientes da parte branca e mais consumida da jabuticaba. "É na polpa que a gente encontra ferro, fósforo, vitamina C e boas doses de niacina, uma vitamina do complexo B que facilita a digestão e ainda nos ajuda a eliminar toxinas." Ufa! E não só nessa polpa, mas também na casca escura, você tem excelentes teores de pectina. "Essa fibra tem sido muito indicada para derrubar os níveis de colesterol, entre outras coisas", conta a nutricionista Karla Silva. A pectina, portanto, faz uma excelente dobradinha com as antocianinas no fruto da jabuticabeira. Daí o discurso inflamado dessa especialista, fã de carteirinha: "A jabuticaba deveria ser mais valorizada, consumida e explorada". Nós concordamos e você?

A jabuticabeira
Nativa do Brasil, ela costuma medir entre 6 e 9 metros e é conhecida desde o período do descobrimento. "A espécie é encontrada de norte a sul, desde o Pará até o Rio Grande do Sul", diz o engenheiro agrônomo João Alexio Scarpare Filho, da Esalq. Segundo ele, a palavra jabuticaba é tupi e quer dizer "fruto em botão".

Aceita um vinho?

A invenção é esta: vinho de jabuticaba. O nome não deixa de ser uma espécie de licença poética, já que só pode ser denominado vinho pra valer o que deriva das uvas. Mas, sim, existe um fermentado feito de jabuticaba que, aliás, já está sendo exportado. "O concentrado da fruta passa um ano inteiro em barris de carvalho," conta o farmacêutico-bioquímico Marcos Antônio Cândido, da Vinícola Jabuticabal, em Hidrolândia, Goiás.

A jabuticaba é a matéria-prima de delícias já conhecidas, como a geléia e o licor, e também de uma espécie de vinho. Quem provou a bebida garante: é uma delícia.


(em 100 gramas ou 1 copo)

Calorias - 51
Vitamina C - 12 mg
Niacina 2,50 - mg
Ferro 1,90 - mg
Fósforo - 14 g

Então, vamos comer muitas Jabuticabas!!!

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Dengue

Texto enviado por Maria José Cordeiro, obrigada pela colaboração.

FAÇA O REPELENTE DOS PESCADORES EM CASA:

1/2 litro de álcool
1 pacote de cravo da Índia (10 gramas)
1 vidro de óleo de bebê ou qualquer outro (100ml)

Deixe o cravo curtindo no álcool uns 4 dias agitando, cedo e de tarde;
Depois coloque o óleo corporal (pode ser de amêndoas, camomila, erva-doce, aloe vera).

Passe só uma gota no braço e pernas e o mosquito foge do cômodo.

O cravo espanta formigas da cozinha e dos eletrônicos, espanta as pulgas dos animais.

O repelente evita que o mosquito sugue o sangue, assim, ele não consegue maturar os ovos e atrapalha a postura, vai diminuindo a proliferação. A comunidade toda tem de usar, como num mutirão. Não forneça sangue para o aedes aegypti!

Ioshiko Nobukuni
Sobrevivente da dengue hemorrágica.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Israel e a Tecnologia de Ponta no Tratamento do Câncer

Publicado no Jornal Eletrônico Rua Judaica

Hospitais israelenses pesquisam tecnologia de ponta para o tratamento do câncer, de acordo com o chefe do Departamento de Oncologia do Centro Médico Rambam em Haifa.

O Professor Avraham Katan afirmou que os hospitais israelenses têm capacidade de oferecer tratamento de alta tecnologia para pacientes com câncer através de equipes médicas altamente treinadas e qualificadas. Israel está à beira de uma nova era da medicina que enfoca o tratamento genético e molecular, afirmou ele.

Um tratamento de alta tecnologia para o câncer de próstata que está sendo utilizado este ano é a "Cirurgia SMART" uma prostatectomia robótica realizada pelo Dr. David Samadi. O Vice-Presidente de Urologia e Chefe de Robótica e Cirurgia Minimamente Invasiva do Monte Sinai Medical Center em Nova York desenvolveu este procedimento que está sendo utilizado no Centro Médico Rambam em Israel.

A doença é diagnosticada em cerca de 15 por cento de todos os homens, conforme estatísticas publicadas pela American Cancer Society, e que um em cada 35 morrem por causa deste tipo de câncer. No entanto quando detectado precocemente, o câncer de próstata tem uma taxa de 95 por cento de sobrevivência de cinco anos. Novas tecnologias, como a cirurgia robótica de remoção de próstata estão sendo utilizadas para proporcionarem aos pacientes uma melhor qualidade de vida.

A prostatectomia robótica é considerada a técnica menos invasiva para o câncer de próstata, Samadi explicou. O cirurgião também tem colaborado estreitamente com o Dr. Jack Baniel de Centro Médico Rabin e o Dr. Jacob Ramon do Centro Médico Tel Hashomer no treinamento de médicos israelenses na técnica de cirurgia SMART. A maioria dos hospitais em Israel inclui um Departamento de Oncologia, mas há vários que se especializam no tratamento do câncer, e incluem hospitais públicos e privados, localizados principalmente na região central do país.

A Israel Cancer Association (ICA) fundada em 1952 promove a pesquisa, prevenção e detecção precoce da doença. A organização financia treinamentos profissionais em centros de oncologia médica e para a comunidade, e oferece treinamento profissional para equipes multidisciplinares e apoio profissional também para os pacientes.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

O Lado Escuro da Comida

Texto enviado por Marcia Maria de Rizzo, obrigada pela colaboração.

por: Claudia Carmello, Barbara Axt, Eduardo Sklarz e Alexandre Versignassi


A indústria dos alimentos nunca produziu tanta porcaria. Seu prato de comida polui mais do que o seu carro. E estamos sendo envenenados por pesticidas. Ou não? Descubra o que é Verdade e o que é Mentira nas intrigas, que rondam os nossos alimentos.

Frango. Água. Maizena modificada. Soda para cozimento. Sal. Glicose. Ácido cítrico. Caldo de galinha. Fosfato de sódio. Antiespumante dimetilpolissiloxano. Óleo hidrogenado de soja com antioxidante TBHQ. Isso tudo, agregado a mais 26 ingredientes, é o que conhecemos pelo nome de nugget. A receita é produto de um sistema, que faz de lasanha congelada a tomates, mais ou menos do mesmo jeito que se fabricam canetas, ventiladores ou motos.

É a agropecuária industrial. Ela começa nos combustíveis fósseis. Petróleo, carvão ou, mais comum hoje, gás natural, são a matéria-prima dos fertilizantes. E os fertilizantes são a matéria-prima de tudo o que você come, seja alface, sejam dois hambúrgueres, queijo e molho especial - no pão com gergelim.

Verdade - Fertilizante mata

Matam peixes, não pessoas. Mas mata. Resíduos de fertilizante vão parar em rios, e daí para o mar. Lá eles fertilizam algas e elas crescem. Mas isso não é bom: quando elas morrem, sua decomposição rouba oxigênio da água. E os peixes sufocam. São as chamadas zonas mortas. Existem quase 400 delas nos mares.

Sem eles para anabolizar as plantações, não haveria comida para todo mundo. O problema é que, com eles, podemos ficar sem mundo.

"Na porteira da fazenda, ainda antes do uso, um saco de 100 quilos de fertilizante químico já emitiu 4 vezes esse peso em CO2, para ser fabricado. Depois que aplicam no solo, pelo menos 1 quilo daquele nitrogênio (elemento principal do fertilizante) é liberado para o ar, em forma de óxido nitroso, um gás quase 300 vezes pior para o aquecimento global do que o CO2", diz o agrônomo Segundo Urquiaga, da Embrapa.

Nessa toada, a agropecuária consegue emitir sozinha 33% dos gases-estufa do mundo, mais do que todos os carros, trens, navios e aviões juntos, que somam 14%.

Além disso, os fertilizantes deixam resíduos de baixo da terra, que chegam aos lençóis freáticos e acabam no mar. Mas isso é pouco, comparado ao que a comida moderna pode fazer ao seu corpo.

Voltemos ao nugget...

VOCÊ É FEITO DE MILHO E SOJA

Os empanados de frango são um dos ícones da indústria de alimentos, baseada, como qualquer outra, em mecanização, uniformização, produtividade. Essas exigências levam a um fato curioso: há quase 40 ingredientes diferentes em um nugget, mas 56% dele é milho.

A maizena é farinha de amido de milho - o ácido cítrico, a dextrose, a lecitina, tudo é feito com moléculas desse grão. Ou com grãos de soja, dependendo do que estiver mais em conta no mercado de commodities agrícolas (pensando bem, até a galinha é feita de milho e soja - é isso que ela come de ração).

Metade da área plantada no Brasil é dominada pela soja, que aparece em 70% dos alimentos processados. E um terço das plantações americanas são lavouras de milho Isso acontece porque soja e milho produzem mais calorias, que a maioria das plantas; são resistentes ao transporte e a anos de estocagem, entre outras vantagens competitivas.

Mas, qual é o problema de se chegar a essa variedade de comida, com apenas dois grãos? Os bois podem dar uma primeira resposta.

No mundo desenvolvido, praticamente toda a carne sai das fazendas de confinamento - galpões, onde os bois passam a vida praticamente empilhados uns nos outros, só engordando. Nesses galpões, a comida do boi não é capim, mas ração à base de milho e soja. O inconveniente é que ele não come grãos.

Industrialmente falando, um boi é uma máquina que transforma celulose de capim (algo que o nosso organismo não digere) em proteína comestível - a carne dele. Mas capim é bem menos calórico que milho e soja. Para ele crescer rápido e ir logo para o corte, tem que ser ração mesmo. Só que o metabolismo do bicho pena para processar tanta comida indigesta.

A fermentação dos grãos, no sistema digestivo dele, pode causar um inchaço do rúmen (o estomago do boi) que pressiona os pulmões e pode matar o animal. Para combater isso, os criadores enchem os bois de antibiótico: 70% dos antimicrobiais, usados nos EUA, são misturados às rações de animais. O problema é que isso cria superbactérias resistentes a antibióticos.

É Darwin em ação: os antibióticos nem sempre matam todas as bactérias. Às vezes sobram algumas que, por mutação genética, nasceram imunes ao remédio. Sem a concorrência de outras bactérias, elas se reproduzem à vontade. Nasce uma cepa de micro-organismo mais resistente a qualquer antibiótico. Elas podem ser letais. Ainda mais se for parar na prateleira do supermercado.

Foi o que aconteceu com uma variedade agressiva de Escherichia coli. Em 2001, o garoto americano Kevin Kowalcyk, de 2 anos de idade, comeu um hambúrguer contaminado por essa bactéria e morreu 12 dias depois. O caso produziu algo inusitado: um recall de hambúrguer.

No Brasil, isso não é um problema. Só 6% do nosso abate vêm de confinamentos, contra 99% nos EUA. Aqui os bois ficam soltos. Bom para eles, pior para as bactérias. Mas pior também para as florestas.

Nossos pastos são formados à custa de desmatamento da Amazônia e do cerrado. E isso leva o Brasil ao posto de 5º maior emissor de CO2 do mundo. Quase 52% dos nossos gases-estufa vêm do desmatamento.

Para frear isso, de forma realista (porque parar de criar bois e de exportar carne não têm nada de realista), a solução é o confinamento. Só que essa modalidade de criação também não é a panacéia para o ambiente. Os galpões de gado causam tantos impactos quanto uma cidade grande: lixo, esgoto, rios poluídos... Até mais, na verdade. Só os animais confinados, que existem hoje nos EUA, produzem 130 vezes mais dejetos, do que todos os americanos juntos.

Todas essas fezes vão para grandes lagos de esterco, que servem de parque aquático para bactérias: elas podem passar desses lagos para o solo de uma lavoura. Podem e conseguem. Só de recalls de vegetais contaminados por E. Coli já foram 20, na última década, nos EUA. Em 2009, um surto de salmonela matou 8 pessoas e adoeceu 600 por lá. Grave. Mas não deixam de ser casos isolados.

Ficou preocupado? Comece a escolher melhor seu tipo de alimentação...
Só você pode fazer isso!

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Voe alto para enxergar mais longe

Autor: Nelson Tanuma

(Nelson Tanuma que é professor, escritor e palestrante: especialista em Desenvolvimento do Potencial Humano, pós-graduado pela PUC, há mais de 10 anos vem ministrando cursos e palestras pelo CIESP/FIESP, SEBRAE-SP, Fundação Bradesco, UMC, Universidade Corporativa ACMC e organizações diversas, e tem artigos publicados periodicamente em jornais, revistas, portais, sites informativos e blogs de várias cidades do Brasil).


Independentemente dos contratempos e obstáculos que surgem em nossas vidas, precisamos continuar seguindo sempre em frente, pois viver é seguir caminhando sem desanimar.

A vida de cada humano é cheia de altos de baixos, tristezas e alegrias, e acontecimentos que constantemente mexem com nosso humor e testam nossa capacidade de autocontrole, e, quando as coisas aparentam estar complicadas demais, é muito fácil perdermos o controle emocional e passarmos a pensar e falar negativamente, ou seja, fica fácil ver apenas o lado negativo da vida. Acabamos por lamentar pelo nosso destino e nos rendemos a decepção e somos dominados pelo pessimismo, e assim, tendemos a ficar estressados, depressivos e ansiosos em relação ao futuro.

Saiba que esses momentos de desânimo, são ocasiões apropriadas para reavaliarmos o que estamos fazendo com as nossas vidas, e prestarmos atenção em que estamos mantendo nosso foco. A melhor arma contra o desânimo e o estresse e nossa capacidade de escolher os nossos pensamentos. Nós, seres humanos, fomos dotados de algo poderoso conhecido como: livre arbítrio, que e a capacidade que temos de escolher nossos pensamentos, palavras e ações, cabendo ressaltar, que essa faculdade é atributo exclusivo de nós seres humanos, o que explica porque a sociedade e as pessoas conseguiram evoluir, apesar dos problemas de diversas naturezas persistirem nas relações humanas, inter-pessoais e na sociedade contemporânea.

Olhar do ponto mais alto significa ter auto-conhecimento, conhecer nossas forças e fraquezas, ter meta definida, sendo capaz de visualizá-la, e senti-la prestes a ser concretizada, ainda que estejamos distantes dela. Lembre-se que conhecer sua meta e o resultado que obterá ao alcançá-la, é essencial para você adquirir motivação e realizar o próximo movimento físico,onde será capaz de conduzi-lo na direção certa.

Grande parte das pessoas sonha em ser milionários, ou seja, ganhar muito dinheiro, mas, para que você consiga tornar-se um milionário, ou seja, ter um patrimônio superior a um milhão de reais, é preciso que você queira esse dinheiro a ponto de considerá-lo vital para sua vida e felicidade. A pergunta a ser feita é a seguinte: Eu preciso mesmo desse dinheiro? Isso e vital para mim? Caso a resposta seja SIM, é preciso traçar a meta, planejar e entrar em ação. Isso o leva a sua meta.

Pense sobre o que significa ter sucesso para você, nesse exato momento, e que tipo de ação levaria você a alcançar esse sucesso. É muito fácil achar que as regras do jogo da vida não deveriam mudar nunca, mas as circunstancias e as exigências da vida mudam constantemente. Saiba que o sucesso no jogo da vida está diretamente relacionado com a rapidez com que se aceita ou se começa um novo jogo, do que a habilidade em jogar com maestria o velho jogo. Nunca se esqueça, porém, que suas metas devem estar alinhadas com os valores éticos e morais que lhes são mais caros, pois se não for assim, seu subconsciente boicotará seus pensamentos, não permitindo que você alcance seus propósitos.

Os acontecimentos da vida não são bons nem ruins. O mundo e do jeito que é. O que realmente faz a diferença é a forma como interpretamos os acontecimentos de nossas vidas e o aprendizado que tiramos, especialmente, dos acontecimentos negativos. O envolvimento para com a sua vida e o comprometimento em relação aos resultados a serem alcançados é o que, de fato, fará a diferença.

Ao invés de ficar preocupado, o que é um grande desperdício de energia e de tempo, faça um trabalho constante de reflexão na busca de auto-conhecimento. O pensamento que analisa os acontecimentos e contingências da vida, de forma profunda tem o dom de conduzir ao amadurecimento de nossas percepções, e não obstante acabe consumindo parte de nossa energia, no contexto geral, é bastante produtivo.

A águia voa alto e enxerga longe, portanto reflita bastante em busca de auto-conhecimento e tenha sonhos grandiosos, voe alto, tenha disciplina no planejamento, e seja corajoso ao entrar em ação na busca da sua meta. Tenha fé no seu próprio potencial, acredite em você, e saiba que agindo assim, você alcançará, infalivelmente, tudo aquilo que almeja!

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Lição de VIDA!!!!!!!

Texto enviado por Regina Bradaschia Ushikusa, obrigada pela colaboração.

Este texto já rodou muito na internet e vale a pena ler novamente, POIS É O QUE ACONTECE NO DIA A DIA COM MUITAS PESSOAS!!!!!!!

Numa escola pública estava ocorrendo uma situação inusitada: meninas de 12 anos que usavam batom, todos os dias beijavam o espelho para remover o excesso de batom.

O diretor andava bastante aborrecido, porque o zelador tinha um trabalho enorme para limpar o espelho ao final do dia. Mas, como sempre, na tarde seguinte, lá estavam as mesmas marcas de batom...

Um dia o diretor juntou o bando de meninas no banheiro e explicou pacientemente que era muito complicado limpar o espelho com todas aquelas marcas que elas faziam. Fez uma palestra de uma hora.

No dia seguinte as marcas de batom no banheiro reapareceram...

No outro dia, o diretor juntou o bando de meninas e o zelador no banheiro, e pediu ao zelador para demonstrar a dificuldade do trabalho. O zelador imediatamente pegou um pano, molhou no vaso sanitário e passou no espelho.

Nunca mais apareceram marcas no espelho!

Moral da história: Há professores e há educadores...
Comunicar é sempre um desafio!
Às vezes, precisamos usar métodos diferentes para alcançar certos resultados.
Por quê?

•Porque a bondade que nunca repreende não é bondade: é passividade.

•Porque a paciência que nunca se esgota não é paciência: é subserviência.

•Porque a serenidade que nunca se desmancha não é serenidade: é indiferença.

•Porque a tolerância que nunca replica não é tolerância: é imbecilidade.


"O saber a gente aprende com os mestres e os livros. A sabedoria se aprende é com a vida e com os humildes".

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Cinco hábitos que melhoram o funcionamento do intestino

Sessão Saúde e Prevenção

Texto enviado por Joemir Rosa, obrigada pela colaboração.

A constipação intestinal ou prisão de ventre é uma das queixas mais frequentes nos bate papos informais e consultórios médicos. É considerado dentro do normal no indivíduo adulto que evacua de duas a três vezes por dia ou até de dois em dois dias, pois o hábito intestinal é bastante variável entre as pessoas, dependendo de diversos fatores, desde clínicos até emocionais.

A causa mais comum da constipação intestinal crônica é a baixa ingestão de fibras, que são encontradas principalmente em frutas, verduras e grãos. As fibras são essenciais para que o intestino funcione com regularidade, já que elas aumentam o volume das fezes e retêm líquidos nas mesmas, fazendo com que as fezes se tornem mais pastosas e fáceis de eliminar. Assim, a dieta e ingestão de líquidos têm papel fundamental para o bom funcionamento do intestino.

O sedentarismo por outro lado, tem papel negativo na hora de garantir o bom funcionamento do intestino. Foi observado em pessoas que estavam impossibilitadas de se movimentar, ou tinham hábitos sedentários, tinham um aumento expressivo de casos de constipação.

Alguns medicamentos também podem ter como efeito colateral a constipação, a exemplo de alguns antiácidos e antidepressivos. Para a surpresa de muitos, o próprio laxante, que com o seu uso contínuo (e sem supervisão qualificada) acaba "viciando" o intestino, e prejudicando sua movimentação levando á necessidade de aumentar a dose até o ponto em que ela não fará mais efeito. O uso indiscriminado de laxantes, trás ainda diversos outros males para a saúde.

Para prevenir a constipação intestinal você pode adotar medidas simples e fáceis de adaptar ao seu dia a dia, como:

Aumente a ingestão de frutas: Principalmente as que se podem ser consumidas com casca e o bagaço, tem um efeito bastante benéfico ao nosso intestino. Verduras, cereais integrais e derivados (farelo de trigo, aveia e pães integrais), sementes oleaginosas (linhaça, castanhas,gergelim,amêndoas) e as hortaliças em geral (todos os tipos de folhas verdes) também ajudam a regular o intestino.

Beba bastante líquido: Água e sucos naturais batidos com a semente lubrificam o intestino e ajudam na formação das fezes. Um bom exemplo é o suco de melancia, sem água e sem açúcar batido com sementes.

Cuidado com os esses alimentos: Evite bebidas alcoólicas, chocolate, café, chá preto e outros alimentos considerados constipantes ou que aumentem a produção excessiva de gases (principalmente os ricos em enxofre).

Em alguns casos, o leite também pode ter ação constipante, mas a avaliação deve ser feita por um profissional capacitado, que efetuará uma investigação criteriosa caso a caso.

Consuma iogurte: O iogurte é extremamente benéfico para o intestino e deve ser ingerido diariamente (exceto em pacientes com intolerância severa a lactose ou alergia a proteína do leite)

Não utilize laxantes por conta própria: Se você não consegue evacuar sem o uso desses medicamentos, consulte um médico. O uso prolongado pode trazer problemas de saúde e piorar a constipação.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Relaxando na praia

Vídeo gravado por um turista na ilha chamada Geórgia do Sul que pertence aos ingleses, e situada ao sul mais distante do continente Sul Americano.

Este é um vídeo único de uma turista, que se sentou na praia para admirar os elefantes marinhos e os pinguins na Baia Dourada da Geórgia do Sul. Inesperadamente, um dos elefantes marinhos é aparentemente atraído por ela e pouco a pouco vai se aproximando. É uma cena fora do comum e muito interessante. O elefante marinho é grande, entretanto ela nunca se amedrontou... ao contrário, mostrou um mix de absoluta naturalidade e divertimento, enquanto outra pessoa gravou em vídeo esta maravilhosa experiência.

Esse vídeo é um bom teste para saber o quanto de humanidade resta em vc. É impossível não se emocionar. É o encontro com a inocência no seu estado mais puro!

Luz e Paz,

Marilda Jorge

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Observa

Texto enviado por Celeste Lisboa, obrigada pela colaboração.

Por Paulo Roberto Gaefke

Se tudo te angustia,
examina a própria vida,
a fruta que amadureceu, caiu ao chão, apodreceu,
e ainda assim será aproveitada como alimento,
em tudo, nada se perdeu.
Ainda gera sementes para novas árvores,
adubo para a terra, vida que se revela.

Se nada te consola,
examina a dor alheia, observa...
Tamanha dificuldade, e o menino sem pernas, caminha,
a menina sem braços ainda pinta,
o senhor sem a visão, guia outro irmão.

Se a esperança fugiu,
se a dor te consome,
lembre-se de Jesus, que foi acusado,
condenado sem nada dever.
Foi açoitado,
com o corpo dilacerado, carregou seu caixão,
um madeiro pesado, sem nenhuma compaixão.
Pregado como se fosse restos de carne,
ainda olhou para os lados,
anunciou a boa nova para os ladrões,
e num último gesto sublime, não amaldiçoou,
simplesmente perdoou.

E se ainda assim,
acreditar que a sua dor é muito maior,
eu te compreendo, e te deixo um lenço.
Não, não é para chorar!
É para acenar para dor,
dar adeus a lamentação,
pois na sua casa, na sua vida,
chegou a Plenitude, a libertação.

Pois Deus, em poucos minutos, tudo pode mudar,
é só querer e acreditar,
é só levantar e dar o primeiro passo.

A vida continua logo ali,
naquela curva suave,
onde encontramos a Rua esperança,
esquina com a Rua Perseverança,
paralela com a Avenida da felicidade.
É tempo de crescer e ser feliz.
Vem!

Eu acredito em você

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Em memória ao meu avô Simão Ostrowiecki Z”L

Texto enviado por Renée Gribov, obrigada pela colaboração.

Meu avô faleceu essa semana, aos 90 anos de idade. Ele adorava contar piadas. Uma de suas preferidas era a história da mala amarela. Certo dia, num trem polonês que se dirigia a Varsóvia, entra um anti-semita. Vendo o bagageiro totalmente lotado e percebendo que entre os viajantes havia um judeu, o anti-semita sorri e se aproxima:

- Judeu, tire sua mala daí de cima porque eu quero colocar a minha!
- Qual é, a amarrrélah? pergunta o judeu com voz preguiçosa
- É! A amarela!
E o judeu ignora completamente o homem e volta a dormir. Novamente o anti-semita vem à carga.
- JUDEU, VOCÊ ESTÁ SURDO?! TIRE JÁ A MALA SENÃO VOU PEGÁ-LA E JOGAR PARA FORA DO TREM!!!
- Qual é, a amarrrélah? A voz permanece tranqüila e sonolenta
- Claro! Sim! A AMARELA
Novamente, o judeu fecha os olhos e tranquilamente encosta a cabeça no banco. Enfurecido, o anti-semita abre a janela, arranca a mala do bagageiro e a joga para fora.
- HAHA! Viu só judeu, joguei a mala fora!!! Ela se foi!
- Qual é, a amarrrélah?
- Mas que coisa!! Sim, a amarela.
- A amarela não é minha…

A família sempre adorou escutá-lo contando as piadas. Essa era especialmente apreciada pelo delicioso sotaque europeu e tom inocente com que meu avô contava, ano após ano, a mesma piada. Apesar de ser uma peça de humor, poucas histórias poderiam representar melhor o espírito de um tempo e de um mundo que já não existe mais. A Polônia dos anos vinte, onde meu avô cresceu e foi educado, era um planeta diferente do que vivemos hoje. A maioria das pessoas vivia no campo, praticamente ninguém possuía automóvel ou havia entrado num avião. As pessoas viviam da agricultura e do comércio, andavam de carroça e sabiam pouco do mundo exterior. Celulares, computadores, Internet não existiam ainda nem nas obras de ficção. Naquele mundo ordeiro havia dois tipos de pessoa: os poloneses, cristãos, normais. E havia os judeus. Meu avô pertencia ao segundo grupo e esse fato decisivo moldaria sua vida. Posso imaginar perfeitamente meu próprio avô protagonizando a história da mala amarela: o mesmo tom inofensivo, a mesma ingenuidade mascarando uma profunda sabedoria, a mesma resignação e senso de sobrevivência num mundo no qual ele tinha pouca voz. A Europa pertencia aos europeus e os judeus eram claramente vistos como intrusos.

Alguns anos mais tarde, já com a guerra e a ocupação nazista em curso, contava meu avô que ele em certa ocasião estava com o cano de uma arma na cabeça, apontada pelo soldado alemão do campo de concentração.

Meu avô instintivamente começou a rir. O alemão olhou incrédulo para aquele homem impotente, prestes a morrer e perguntou porque ele estava rindo: “hahaha… que mau negócio! Você está prestes a desperdiçar uma boa bala alemã com um mero judeu que já vai morrer de qualquer jeito! Hahaha que péssimo negócio”.

Simão conta que em seguida o nazista resolveu guardar a arma e desistiu de disparar. Esse espasmo de genialidade e criatividade lhe salvou a vida. Astúcia imensa que, tal como num golpe de judô, usa a força do oponente para derrubá-lo. Ele era assim. Em poucos segundos avaliava uma situação e sabia o melhor caminho a seguir. Doente, impotente, sem ninguém a quem recorrer, Simão se manteve alerta, enfrentou pesadelos e horrores sem paralelo, viu cenas que jamais lhe sairiam da cabeça. E sobreviveu. Hoje o nazismo está enterrado enquanto a família do Simão segue forte no caminho judaico.

Ser testemunha ocular do mal absoluto não abalou em nada a sua disposição para o bem. Já logo nos primeiros anos após a guerra casou-se com minha avó Raquel, uma companheira fiel e esposa exemplar que o acompanharia nos próximos 65 anos. Rapidamente se tornou conhecido por ajudar os outros. A partir das cinzas, colocou em prática sua genialidade nos negócios e com o fruto do seu trabalho sustentava a família, os irmãos e ajudava amigos a se estabelecerem na vida. No início da década de 50 partiu da Alemanha em direção ao Brasil, país que o acolheria de braços abertos. Ao iídiche, hebraico, polonês e alemão, acrescentou ainda o português ao seu status de poliglota sem estudos. Teve dois filhos, trabalhou duro, construiu um lar e ajudou os outros. Não havia causa judaica para a qual Simão dissesse não. Não havia um amigo ou conhecido que viesse pedir algo para quem ele negaria ajuda. Ele adorava os negócios, o comércio, o câmbio. Fazia cálculos complexos de cabeça. Sabia que trabalhar significa agregar valor e que não existe vida plena sem trabalho.

Quando a velhice se aproximou, a providência divina entendeu que Simão talvez ainda não tivesse recebido a cota de sofrimento que deveria. Já com mais de 80 anos de idade, recebeu a notícia da perda do filho Israel, meu pai, desaparecido em um acidente no mar. Se enterrar o pai é o fardo de todo filho, a lógica se inverteu de forma peculiarmente cruel, tendo o pai que agüentar essa tragédia e não ter nem um corpo sobre o qual podia chorar. Recebeu mais esse golpe com a força espiritual que lhe era única e concentrou suas atenções em ajudar o neto a estabilizar a empresa que também tinha ficado órfã. Durante os oito anos seguintes, Simão se tornaria um habitué na empresa, ajudando no que podia, cuidando das compras de mercadoria e encantando a todos com seu jeito especial. Certa ocasião, após eu ter pedido categoricamente para ele não comprar mais nenhum produto devido à falta de espaço, ele se sensibilizou com a história de algum fornecedor de sucata. Cedeu então e comprou mais um monte de coisas para as quais não tínhamos espaço nem interesse. Fiquei tão enfurecido que mandei despejar o excesso de sucata na casa dele, no meio da sala de estar. Minha avó deve ter adorado a cena daquelas pilhas de sucata contrastando com os tapetes e quadros que ela arrumara com tanto capricho.

Um homem paradoxal, cujo semblante e cujas ações eram bondade pura, mas cuja mente estava repleta das imagens de indescritíveis horrores do Holocausto. Um homem insuperável no brilhantismo e capacidade de fazer dinheiro, mas para quem os bens materiais não valiam nada. A riqueza lhe escapou da mão a vida toda tão rapidamente quanto ela vinha: ele a distribuía aos outros sem restrições. Um homem cético e que afirmava não crer em nada, seja em Deus ou nos homens, mas que cumpria à risca as tradições judaicas, rezava impecavelmente e fazia questão de transmitir a educação judaica aos descendentes. Simão sobreviveu ao Holocausto e pelo resto dos dias parecia que estava empenhado em vencer esse jogo criado por Deus chamado vida. Se existe um propósito divino e se tal propósito é arremessar contra o ser humano todo tipo de privações e desafiando-o a emergir mais forte e mais justo, então o Simão venceu, com louvor.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

ONU pede mais qualidade de vida no ambiente de trabalho para evitar doenças crônicas

Texto enviado por Ramiro Ros, obrigada pela colaboração.

Passamos boa parte do dia (e da vida!) dentro da empresa. Prevenção e qualidade de vida são as palavras de ordem.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, apelou aos empresários para que proporcionem um ambiente de trabalho saudável aos funcionários.

Segundo ele, 60% das doenças não transmissíveis, como câncer, diabetes, problemas respiratórios e ocorrências de acidente vascular cerebral (AVC) podem ser evitadas quando os fatores de risco são reduzidos.

A começar que um dos desencadeadores dessas doenças é justamente o sedentarismo considerado, segundo a Organização Mundial da Saúde, o quarto maior fator de risco de mortalidade no mundo.

Há a possibilidade das enfermidades aumentarem em pelo menos 50% até 2030, principalmente nos países da África, do Oriente Médio e do Sudeste da Ásia. Segundo Ban, as doenças crônicas são responsáveis pela morte de 35 milhões de pessoas a cada ano, em todo o mundo, a maioria com menos de 70 anos.

Foi durante o Fórum Econômico Mundial de Davos, (Suíça) que Ban disse que não podemos permitir que as doenças crônicas aumentem, especialmente quando sabemos as soluções.

Em setembro, a Assembléia Geral da ONU promoverá uma Reunião de Alto Nível sobre a Prevenção e Controle de Doenças Não transmissíveis, em Nova York. A previsão é reunir presidentes da República, primeiros-ministros e ministros para os debates, além de representantes da iniciativa privada.

Durante o dia, mexa-se o máximo possível: Vá receber o cliente ou paciente na porta, faça algumas tarefas em pé, como ler um artigo ou relatório. Isso, por mais simples que seja, fará diferença na queima de calorias ao final de um mês ou um ano.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Viver Sozinha

Respondendo E-mails

Durante anos viajei muito por ser jornalista e correspondente de guerra, conheci uma boa parte do mundo e adorei estar só! A solidão me ajudou a entender situações, as pessoas e a sair de uma gaiola dourada...

Foram tempos ótimos, onde o crescer e aprender foram constantes!

Vocês me perguntam o porquê do mundo hoje ser tão só? Os relacionamentos tão complicados? Primeiro, ser só aonde? Pois conheço muita gente num relacionamento de anos e se dizem bem casados e unidos, e são pessoas muito infelizes e sós...

Ficar um tempo só nos ajuda a crescer e refinar nosso gênio e ego. E independe de ser unido a alguém ou estar sozinho. Não falamos dos casos especiais onde cada um respeita a individualidade do outro. Isso é genial em qualquer relacionamento...

Agora vamos responder a você:

Você me diz que saiu do seu relacionamento bastante machucada, mas que deseja encontrar alguém rapidamente?! Você sabe o que é dar um tempo? Tempo é muito importante após uma separação como a sua, pelo que me contou.

Então vamos a uma terapia prática para o seu momento atual:

1- Urgente: Viva um dia de cada vez.
2- Urgente: Procure ler bons livros e faça um curso, se ocupe muito.
3- Urgente: Todos nós saímos desmontados de uma relação! Se olhe no espelho e veja se está satisfeita com o que vê. Não gostou? Procure profissionais competentes que possam lhe indicar o melhor caminho.
4- Urgente: De um tempo para outro relacionamento, pois é comum passarmos os erros do primeiro para o segundo, etc...

Veja que isso irá ocupar seu tempo e muito, pois existe também o seu trabalho e as crianças. Alias, cuide muito bem delas! A sua cabecinha não deverá esquecê-las em momento algum. Elas são responsabilidade de vocês, separados ou não!

Posto isso minha querida amiga, teremos que ir nos falando devagar. Acredito que a sua cabecinha estará pronta muito em breve para tudo, principalmente para um novo amor!

Luz e Paz,

Marilda Jorge

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

O mal de Alzheimer

Sessão Saúde e Prevenção

O mal de Alzheimer escrito por Roberto Goldkorn, psicólogo e escritor.

Meu pai está com Alzheimer. Logo ele, que durante toda vida se dizia "o Infalível".

O diagnóstico médico ainda não é conclusivo, mas, para mim, basta saber que ele esquece o meu nome, mal anda, toma líquidos de canudinho, não consegue terminar uma frase, nem controla mais suas funções fisiológicas e tem os famosos delírios paranóicos comuns nas demências tipo Alzheimer.

Aliás, fico até mais tranquilo diante do "eu não sei ao certo" dos médicos; prefiro isso ao "estou absolutamente certo de que ...", frase que me dá arrepios. Há trinta anos não se ouvia sequer uma menção a essa doença maldita. Hoje eu precisaria ter o triplo de dedos nas mãos para contar os casos relatados por amigos e clientes em suas famílias.

O que está acontecendo?
Estamos diante de um surto de Alzheimer? Finalmente nossos hábitos de vida "moderna" estão enviando a conta?

O que os pesquisadores sabem de verdade sobre a doença?
Qual é o lado oculto dessa manifestação tão dolorosa?
Lendo o material disponível chega-se a uma conclusão: essa é uma doença extremamente complexa, camaleônica, de muitas faces e ainda carregada de mistérios.

Hábitos alimentares?
Stress das pressões do Primeiro Mundo?

A alimentação parece ser sem dúvida um elo nessa corrente e mais ainda o alumínio. Segundo algumas pesquisas, a incidência de alumínio encontrada nos cérebros de portadores da doença é assustadoramente alta. Pesquisas feitas na Austrália e em alguns países da Europa mostraram que, em ratos alimentados com uma dieta rica, o sulfato de alumínio (comumente colocado na água potável para matar bactérias) danificou os cérebros dos roedores de forma muito similar à causada nos humanos pelo Alzheimer.

A minha interpretação de tudo isso: não temos muito como controlar todos os fatores de risco apontados como os vilões - alimentação, pressão alta, contaminação ambiental, stress, e a genética (por enquanto). Mas podemos colocar o nosso cérebro para trabalhar.

COMO?

Lendo muito, escrevendo, buscando a clareza das idéias, criando novos circuitos neurais que venham a substituir os afetados pela idade e pela vida "bandida".

Meu conselho é: não sejam infalíveis como o meu pobre pai; não cheguem ao topo nunca, pois dali, só há um caminho, descer. Inventem novos desafios, façam palavras cruzadas, forcem a memória, não só com drogas (não nego a sua eficácia, principalmente as nootrópicas), mas correndo atrás dos vazios e lapsos.

Eu não sossego enquanto não lembro do nome de algum velho conhecido, ou de uma localidade onde estive há trinta anos. Leiam e se empenhem em entender o que está escrito e aprendam outra língua, mesmo aos sessenta anos.

Não existem estudos provando que o Alzheimer é a moléstia preferida dos arrogantes, autoritários e auto-suficientes, mas a minha experiência mostra que pode haver alguma coisa nesse sentido.

Coloquem a palavra FELICIDADE no topo da sua lista de prioridades: 7 de cada 10 doentes nunca ligaram para essas "bobagens" e viveram vidas medíocres e infelizes - muitos nem mesmo tinham consciência disso.

Mantenha-se interessado no mundo, nas pessoas, no futuro.
Invente novas receitas, experimente (não gosta de ir para a cozinha? Hum ... isso é preocupante.)

Lute, lute sempre por uma causa, por um ideal, pela felicidade.

Dicas para escapar do Alzheimer:

Uma descoberta dentro da Neurociência vem revelar que o cérebro mantém a capacidade extraordinária de crescer e mudar o padrão de suas conexões. Os autores desta descoberta, Lawrence Katz e Manning Rubin (2000), revelam que a NEURÓBICA, a "aeróbica dos neurônios", é uma nova forma de exercício cerebral projetada para manter o cérebro ágil e saudável, criando novos e diferentes padrões de atividades dos neurônios em seu cérebro. Cerca de 80% do nosso dia-a-dia é ocupado por rotinas que, apesar de terem a vantagem de reduzir o esforço intelectual, escondem um efeito perverso; limitam o cérebro.

Para contrariar essa tendência é necessário praticar exercícios "cerebrais" que fazem as pessoas pensarem somente no que estão fazendo, concentrando-se na tarefa. O desafio da NEURÓBICA é fazer tudo aquilo que contraria as rotinas, obrigando o cérebro a um trabalho adicional. Tente fazer um teste:
- use o relógio de pulso no braço direito;
- escove os dentes com a mão contrária da de costume;
- ande pela casa de trás para frente; (vi na China o pessoal treinando isso num parque);
- vista-se de olhos fechados;
- estimule o paladar, coma coisas diferentes;
- veja fotos de cabeça para baixo;
- veja as horas num espelho;
- faça um novo caminho para ir ao trabalho.

A proposta é mudar o comportamento rotineiro.
Roberto Goldkorn é psicólogo e escritor.

Nota: evite ao máximo o uso de panelas de alumínio para cozinhar. Use panelas de ferro, dentro do possível.

Luz e Paz,

Marilda Jorge

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Ensine seus filhotes de cachorro

O vídeo abaixo mostra como vocês podem ensinar seus filhotes de cachorro de forma inteligente.

Luz e Paz,

Marilda Jorge.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

SETE PASSOS PARA ULTRAPASSAR O JUGO DO EGO

Texto enviado por Fernando Leite, obrigada pela colaboração.

Wayne W. Dyer, Ph.D. é um autor e orador reconhecido internacionalmente no campo do auto-desenvolvimento. É autor de 30 livros, criou muitos programas de áudio e vídeo e participou em milhares de espetáculos de TV e de Rádio. Os seus livros: Manifeste o Seu Destino, Sabedoria das Idades, Existe uma Solução Espiritual para Cada Problema e os mais vendidos do New York Times 10 Segredos para o Sucesso e a Paz Interior, O Poder da Intenção, Inspiração e Mude os Seus Pensamentos – Mude a Sua Vida foram todos destacados como especiais pela National Public Television.

1. Pare de se sentir ofendido.

O comportamento dos outros não é uma razão para ser imobilizado. O que o ofende só o torna mais fraco. Se está à procura de ocasiões em que foi ofendido, irá descobri-las em todo o lado. Trata-se do seu ego a funcionar convencendo-o de que o mundo não deveria ser como é. Mas você pode tornar-se um apreciador da vida e igualar-se ao Espírito da Criação universal. Não pode tocar o poder da intenção ao ser ofendido. Por todos os meios, aja no sentido de erradicar os horrores do mundo que emanam da identificação massiva com o ego, mas fique em paz. Como Um Curso em Milagres nos relembra: a Paz é de Deus, você que é parte de Deus não está em casa exceto na sua paz. Sendo de Deus, você que é parte de Deus, não está em casa exceto na sua paz. Sentir-se ofendido cria a mesma energia destrutiva que o ofendeu em primeiro lugar e leva-o ao ataque, ao contra-ataque e à guerra.

2. Deixe ir a sua necessidade de vencer.

O ego adora dividir-nos em vencedores e perdedores. O objetivo de ganhar é um meio infalível para evitar que a consciência contate com a intenção. Por quê? Porque, em última instância, é impossível ganhar sempre. Alguém por aí vai ser mais rápido, ter mais sorte, ser mais jovem, mais forte e mais esperto e você vai voltar a sentir-se inútil e insignificante. Você não é os seus ganhos ou as suas vitórias. Pode gostar de competir e de se divertir num mundo em que vencer é tudo, mas não tem que estar lá nos seus pensamentos. Não há perdedores num mundo onde todos partilhamos a mesma fonte de energia. Tudo o que você pode dizer é que, num dado dia, realizou certo nível em comparação com os níveis dos outros nesse dia. Mas hoje é outro dia, com outros competidores e novas circunstâncias para considerar. Você é ainda uma presença infinita em um corpo que é um dia (ou década) mais velho. Deixe ir à necessidade de ganhar ao não concordar que o oposto de ganhar seja perder. Esse é o medo do ego. Se o seu corpo não está a fazer de forma a ganhar neste dia, isso simplesmente não importa quando não você não se identifica exclusivamente com o seu ego. Seja o observador, reparando e desfrutando de tudo sem a necessidade de ganhar um troféu. Esteja em paz e harmonize-se com a energia da intenção. E, ironicamente, embora você mal dê por isso, surgirão mais vitórias na sua vida à medida que menos as procurar.

3. Deixe ir a sua necessidade de ter razão.

O ego é a fonte de imensos conflitos e dissensões porque o empurra na direção de fazer dos outros errados. Quando você é hostil, desconectou-se do poder da intenção. O Espírito criativo é amável, amoroso e receptivo; e livre de raiva, ressentimento ou amargura. Deixar ir a sua necessidade de estar certo nas suas discussões e relações é como dizer ao ego, Eu não sou um escravo teu. Eu quero abraçar a amabilidade, e rejeito a tua necessidade de estar certo. De fato, vou oferecer a esta pessoa a oportunidade de se sentir melhor dizendo-lhe que está certa e agradecer-lhe por me apontar na direção da verdade. Quando você deixa ir à necessidade de ter razão, é capaz de fortalecer a sua conexão com o poder da intenção. Mas tenha em atenção que o ego é um combatente determinado. Já vi pessoas terminarem relações, de outro modo bonito, por aderirem à sua necessidade de estarem certas. Eu incito-o a deixar ir esta necessidade condutora do ego de ter razão parando você mesmo no meio de uma discussão e perguntando-se, Quero ter razão ou quero ser feliz? Quando escolhe o humor feliz, amoroso e espiritual a sua conexão com a intenção é reforçada. Estes momentos expandem, em última análise, a sua nova conexão ao poder da intenção. A Fonte universal irá começar a colaborar consigo criando a vida que você está destinado a viver.

4. Deixe ir a sua necessidade de ser superior.

A verdadeira nobreza não tem a ver com ser melhor do que ninguém. Tem a ver com ser melhor do que você costumava ser. Fique centrado no seu crescimento, com uma consciência constante de que ninguém que está no planeta é melhor do que ninguém. Todos nós emanamos da mesma força vital criativa. Todos temos uma missão para realizar a nossa essência destinada; tudo o que precisamos para cumprir o nosso destino está disponível para nós. Nada disto é possível quando se vê a si mesmo como superior aos outros. É um velho ditado, mas nem por isso menos verdadeiro: todos somos iguais aos olhos de Deus. Deixe ir a sua necessidade de se sentir superior vendo a manifestação de Deus em todos. Não avalie os outros com base na sua aparência, realizações, posses e outros indícios do ego. Quando você projeta sentimentos de superioridade é o que recebe de volta, levando a ressentimentos e, afinal de contas a sentimentos hostis. Estes sentimentos tornam-se veículo que o leva para mais longe da intenção. Um Curso em Milagres visa esta necessidade de ser especial e superior: “A especialidade faz sempre comparações. É estabelecida por uma falta vista no outro e mantida por procurar e manter claro à vista todas as faltas que possa perceber.

5. Deixe ir a sua necessidade de ter mais.

O mantra do ego é mais. Nunca está satisfeito. Não importa o quanto você realize ou adquira, o seu ego vai insistir que não é suficiente. Vai encontrar-se num estado perpétuo de esforço e eliminar qualquer possibilidade de alguma vez chegar. No entanto, na realidade você já chegou e como escolhe usar este momento presente da sua vida é sua escolha. Ironicamente, quando você pára de precisar de mais, mais do que deseja parece chegar à sua vida. Desde que esteja desapegado da necessidade, vai achar mais fácil transmiti-lo aos outros porque percebe como precisa de pouco para estar satisfeito e em paz. A Fonte universal está contente consigo mesma, constantemente em expansão e a criar vida nova, nunca tentando manter as suas criações para os seus próprios propósitos egoístas. Ela cria e deixa ir. À medida que deixar ir à necessidade do ego de ter mais, você identifica-se com essa Fonte. Você cria, atrai para si e deixa ir, nunca exigindo que venha mais. Como um apreciador de tudo o que se manifesta, você aprende a poderosa lição que São Francisco de Assis ensinou: “… é dando que nós recebemos.” Ao permitirmos que a abundância flua em e através de si, você combina com a sua Fonte e garante que esta energia continuará a fluir.

6. Deixe de se identificar com base nas suas realizações.

Este pode ser um conceito difícil se você pensar que são as suas realizações. Deus escreve toda a música, Deus canta todas as canções, Deus constrói todos os edifícios. Deus é a fonte de todas as realizações. Posso ouvir o seu ego a protestar em voz alta. Não obstante, permaneça sintonizado com esta ideia. Tudo emana da Fonte! Você e essa Fonte são um! Você não é este corpo e as suas realizações. Você é o observador. Note tudo isso e esteja grato pelas capacidades que tem acumulado. Mas conceda todos os créditos ao poder da intenção que o trouxe para a existência e da qual você é uma parte materializada. Quanto menos precisar ter os créditos pelas suas realizações e mais conectados permanecerem com as setes faces da intenção, mais você é livre para realizar e mais lhe será mostrado para si. É quando se apega a essas conquistas e acredita que faz todas essas coisas sozinho, é abandonado pela paz e gratidão da sua Fonte.

7. Deixe ir a sua reputação.

A sua reputação não está localizada em si. Ela reside na mente dos outros. Portanto, você não tem controle sobre ela de todo. Se você falar com 30 pessoas, terá 30 reputações. Conectar-se com a intenção significa escutar o seu coração e conduzir-se com base no que sua voz interior lhe diz que é o seu propósito. Se estiver excessivamente preocupado com a forma como vai ser apreendido por todos, então se desconectou da intenção e deixou que as opiniões dos outros o orientassem. Trata-se do seu ego a funcionar. Trata-se de uma ilusão que permanece entre si e o poder da intenção. Não há nada que possa fazer, a menos que se desligue da fonte do poder e se convença de que o seu propósito é provar aos outros como é poderoso e superior, e desperdice a sua energia a tentar ganhar uma reputação gigante entre os outros egos. Faça o que faz porque a sua voz interior está sempre conectada e agradecida à sua Fonte pelo modo como o dirige. Permaneça na intenção, desapegue-se dos resultados e assuma a responsabilidade pelo que reside em si: o seu caráter. Deixe a sua reputação para os outros discutirem; isso não tem nada a ver consigo.

Ou como diz o título de um livro:
“O Que Você Pensa de Mim Não é Assunto Meu!”

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

VOCÊ SABE O QUE É UM PALÍNDROMO?

Texto enviado por Regina Bradaschia Ushikusa, obrigada pela colaboração.

Um palíndromo é uma palavra ou um número que se lê da mesma maneira nos dois sentidos, normalmente, da esquerda para a direita e ao contrário.

Exemplos: OVO, OSSO, RADAR. O mesmo se aplica às frases, embora a coincidência seja tanto mais difícil de conseguir quanto maior a frase; é o caso do conhecido:

SOCORRAM-ME, SUBI NO ONIBUS EM MARROCOS.

Diante do interesse pelo assunto (confesse, já leu a frase ao contrário), tomei a liberdade de selecionar alguns dos melhores palíndromos da língua de Camões...

ANOTARAM A DATA DA MARATONA

ASSIM A AIA IA A MISSA

A DIVA EM ARGEL ALEGRA-ME A VIDA

A DROGA DA GORDA

A MALA NADA NA LAMA

A TORRE DA DERROTA

LUZA ROCELINA, A NAMORADA DO MANUEL, LEU NA MODA DA ROMANA: ANIL É COR AZUL

O CÉU SUECO

O GALO AMA O LAGO

O LOBO AMA O BOLO

O ROMANO ACATA AMORES A DAMAS AMADAS E ROMA ATACA O NAMORO

RIR, O BREVE VERBO RIR

A CARA RAJADA DA JARARACA

SAIRAM O TIO E OITO MARIAS

ZÉ DE LIMA RUA LAURA MIL E DEZ

Descubram sempre mais e se informem, pois cultura é ainda o melhor negócio...

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

DIFERENÇAS: ENTRE RELIGIÃO E ESPIRITUALIDADE

Texto enviado por Wellington Barbosa de Araujo, obrigada pela colaboração.

(Desconheço a autoria)

A religião não é apenas uma, são centenas.
A espiritualidade é única e pertence a cada indivíduo.

A religião é para os que dormem.
A espiritualidade é para os que estão despertos e sedentos da Verdade.

A religião é para aqueles que necessitam que alguém lhes diga o que fazer, querem ser guiados.
A espiritualidade é para os que prestam atenção à Voz de DEUS .

A religião tem um conjunto de regras dogmáticas.
A espiritualidade te convida a raciocinar sobre tudo, a questionar tudo e buscar a Verdade maior.

A religião ameaça e amedronta.
A espiritualidade lhe dá Paz Interior.

A religião fala de pecado e de culpa.
A espiritualidade lhe diz: "aprenda com o erro e evolua".

A religião reprime.
A espiritualidade transcende e te faz verdadeiro!

A religião não é Deus.
A espiritualidade é Tudo! Portanto é Deus.

A religião inventa, interpreta e divulga de acordo com a época.
A espiritualidade descobre o que deve ser percebido pelo homem pensante.

A religião acata.
A espiritualidade questiona tudo.

A religião é humana, é uma organização com regras.
A espiritualidade é Divina, é de DEUS e do TODO.

A religião é causa de divisões.
A espiritualidade é causa de União.

A religião lhe busca para que acredite.
A espiritualidade te convida a buscá-la e entende-la.

A religião segue preceitos.
A espiritualidade busca o sagrado em todos os livros.

A religião se alimenta do medo.
A espiritualidade se alimenta na Confiança e na Fé.

A religião faz viver no pensamento.
A espiritualidade faz Viver na Consciência.

A religião se ocupa com fazer.
A espiritualidade se ocupa com Ser.

A religião alimenta o ego.
A espiritualide nos faz Transcender.

A religião nos faz renunciar ao mundo.
A espiritualidade nos faz viver em Deus, não renunciar a Ele.

A religião é adoração.
A espiritualidade é Meditação.

A religião sonha com a glória e com o paraíso.
A espiritualidade nos faz viver a glória e o paraíso aqui e agora.

A religião vive no passado e no futuro.
A espiritualidade vive no presente.

A religião enclausura nossa memória.
A espiritualidade liberta nossa Consciência.

A religião crê na vida eterna.
A espiritualidade nos faz consciente da vida eterna.

A religião promete para depois da morte.
A espiritualidade é encontrar Deus em Nosso Interior durante a vida.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Pare de Andar em Ponto Morto!!!

Texto enviado por Marcia Maria de Rizzo, Obrigada pela colaboração.

Pare de andar em “ponto morto”, engate a marcha e faça alguma coisa da sua vida.

Há muitas avenidas a serem exploradas, portanto, por que não explorá-las agora? 

Nunca tenha medo de dar um passo para o desconhecido, para o novo. 

Faça isso sem temor, sempre esperando que o melhor aconteça. 

A vida é muito emocionante e excitante, mas é preciso estar disposto a crescer em direção ao novo com absoluta fé e confiança.

Permita que Eu seja seu guia e companheiro constante.

Há muito em você esperando para ser revelado quando você estiver pronto.

Você deverá estar devidamente equipado para esta vida de aventura e, antes de se aventurar em frente, deverá aprender lições vitais importantes, lições fundamentais de obediência e disciplina.

Para tanto você terá que passar por provas e testes.

Mas não se impaciente nem se irrite com isso, e sim agradeça por ter sido escolhido para seguir este caminho espiritual.

(Do livro Abrindo Portas Interiores - Eileen Caddy - Findhorn Foundation)

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Sabedoria de Avó...

Texto enviado por Geraldo Venâncio, Obrigada pela colaboração.

Quando eu for bem velhinha, espero receber a graça de, num dia de domingo, me sentar na poltrona da biblioteca e, bebendo um cálice de Porto, dizer a minha neta:

- Querida, venha cá. Feche a porta com cuidado e sente-se aqui ao meu lado. Tenho umas coisas pra te contar.

E assim, dizer apontando o indicador para o alto: - O nome disso não é conselho, isso se chama colaboração!

Eu vivi, ensinei, aprendi, caí, levantei e cheguei a algumas conclusões. E agora, do alto dos meus 82 anos, com os ossos frágeis a pele mole e os cabelos brancos, minha alma é o que me resta saudável e forte. Por isso, vou colocar mais ou menos assim:

É preciso coragem para ser feliz. Seja valente.

Siga sempre seu coração. Para onde ele for, seu sangue, suas veias e seus olhos também irão.

Satisfaça seus desejos. Esse é seu direito e obrigação.

Entenda que o tempo é um paciente professor que irá te fazer crescer, mas escolha entre ser uma grande menina ou uma menina grande, vai depender só de você.

Tenha poucos e bons amigos. Tenha filhos. Tenha um jardim.

Aproveite sua casa, mas vá a Fernando de Noronha, a Barcelona e a Austrália.

Cuide bem dos seus dentes.

Experimente, mude, corte os cabelos. Ame. Ame pra valer, mesmo que ele seja o carteiro. Não corra o risco de envelhecer dizendo "ah, se eu tivesse feito..." Vai que o carteiro ganha na loteria - tudo é possível, e o futuro é imprevisível.

Tenha uma vida rica de vida! Viva romances de cinema, contos de fada e casos de novela.

Faça sexo, mas não sinta vergonha de preferir fazer amor.

E tome conta sempre da sua reputação, ela é um bem inestimável. Porque sim, as pessoas comentam, reparam, e se você der chance elas inventam também detalhes desnecessários.

Se for se casar, faça por amor. Não faça por segurança, carinho ou status.

A sabedoria convencional recomenda que você se case com alguém parecido com você, mas isso pode ser um saco!

Prefira a recomendação da natureza, que com a justificativa de aperfeiçoar os genes na reprodução, sugere que você procure alguém diferente de você.

Mas para ter sucesso nessa questão, acredite no olfato e desconfie da visão.

É o seu nariz quem diz a verdade quando o assunto é paixão.

Faça do fogão, do pente, da caneta, do papel e do armário, seus instrumentos de criação.

Leia. Pinte, desenhe, escreva. E por favor, dance, dance, dance até o fim, se não por você, o faça por mim.

Compreenda seus pais. Eles te amam para além da sua imaginação, sempre fizeram o melhor que puderam, e sempre farão.

Não cultive as mágoas - porque se tem uma coisa que eu aprendi nessa vida é que um único pontinho preto num oceano branco deixa tudo cinza.

Era só isso minha querida. Agora é a sua vez. Por favor, encha mais uma vez minha taça e me conte: como vai você?

Isso vale para todos nós, pais, filhos, netos e amigos...

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Crianças podem ir para a cozinha?

Sessão Saúde e Prevenção

Por Malú Echeverria
Revista Crescer - Editora Globo - Dez 2011

Sim, com alguns cuidados, eles podem ajudar os pais – e se divertir! – cozinhando.
A cozinha é um dos ambientes menos seguros da casa para as crianças. Panelas no fogão, talheres, produtos de limpeza e eletrodomésticos são apenas alguns dos perigos. Por isso, nos primeiros anos de vida, os especialistas recomendam que elas fiquem do lado de fora. Se possível, vale instalar um portão de barreira, como os usados para protegê-las nas escadas. Mas e se elas quiserem aprender a cozinhar?

Em geral, o interesse começa a surgir por volta dos 3 anos, período em que as crianças já podem frequentar o espaço novamente, desde que sob a supervisão de adultos. A chef Cristine Maccarone, que dá aulas de culinária para adultos e crianças no Atelier e Escola de Cozinha Madame Aubergine, em São Paulo, sempre incentivou os filhos, hoje com 8 e 11 anos, a cozinhar.

“É uma atividade lúdica e divertida”, diz. “Além disso, quando as crianças aprendem noções sobre culinária e alimentação, elas passam a comer melhor.” A seguir, a chef dá algumas dicas para você se divertir com os pequenos na cozinha, sem riscos.
Bom apetite!

Entrada
Para começar, elas devem ficar longe do fogão. Mas não há problema, afinal, os menores gostam mesmo é de misturar ingredientes, quebrar ovos e brincar com massa, atividades que podem realizar com segurança. A partir dos 10 anos, já têm noção dos riscos envolvidos na atividade, por isso, podem experimentar a cozinhar alguns pratos. Nessa idade, também são altos o suficiente para se aproximar do fogão sem problemas. O ideal é iniciar com receitas simples, como ovos mexidos, por exemplo.

Prato principal
O conselho mais importante, segundo a chef, para quem vai cozinhar com as crianças é ter tempo disponível. Em primeiro lugar porque eles precisam de atenção. E segundo porque é necessário preparar a cozinha para recebê-los. Isso significa deixar os utensílios e ingredientes à mão e, quando for o caso, limpos e cortados. Convêm usar materiais inquebráveis, como inox e plástico. Facas, travessas de vidro e panela de pressão, por motivos óbvios, nem pensar.

Sobremesa
Por último, nem todas as receitas são seguras para as crianças. Por mais que elas gostem de batata-frita e que seja um prato relativamente simples, fritar alimentos é perigoso. Assim como flambados e outros pratos que “espirram”. Uma simples gota de óleo pode causar queimaduras de segundo grau. Em geral, quanto mais elaborada a receita, mais atenção vai exigir das crianças e dos adultos que estiverem na cozinha.
Site Meter