Seguidores

sábado, 25 de outubro de 2008

Um Texto Verdadeiro

Tropecei num grupo revoltado com tantas barbaridades que vem acontecendo. Eram tantas as reclamações e acusações amarguradas na conversa, tanta preocupação, tanta incerteza de todos...

Preocupações com a violência, o desmando, a impunidade, o desejo de mudar tudo isso e a impossibilidade de fazê-lo. Gente nova, gente madura e vivida, todos numa revolta e procurando um bode expiatório para descarregar.

Se pudessem chutar, chutavam, se pudessem agredir, agrediriam e assim continuou a conversa até que chegou alguém e perguntou?

“O que vocês pais estão fazendo para mudar a cabeça e a educação de suas crianças?”

Houve um silencio forçado e um olhar de dúvida pairou no ar...

“Se não fazemos nada, não podemos reclamar o que acontece.”

Posto isso, recebi um texto muito bom neste sentido do meu amigo e colaborador Joemir Rosa, o texto é da Martha Medeiros e foi escrito recente: 22 de outubro de 08.

Segue abaixo o texto que é um alerta!

“Foi Mal”

“Semana passada eu estive no curso pré-vestibular Unificado conversando com alguns professores e pais de alunos, e entre vários assuntos debatidos surgiu um que tem preocupado a todos: a liberalidade que certos jovens conquistaram em casa e estão exibindo nas ruas. Longe de qualquer moralismo, o fato é que é alarmante que uma garotada de 12 ou 13 anos já esteja freqüentando festas com álcool – às vezes liberado pelos próprios pais, que se rendem ao manjado argumento: “Pô, todos os meus amigos podem!”. Ah, então tudo bem.

Juventude sempre foi sinônimo de “viver perigosamente”: esperto era quem esnobava a morte e se divertia com o risco. Essa rebeldia já teve seu seu charme, eletrizava. Só que o passado passou: hoje vivemos numa sociedade muito mais violenta, e dar uma de valente, se ainda impressiona, é pela inconseqüência e babaquice, por nada mais.

Alguns acontecimentos dos últimos dias deixaram claro que os jovens, hoje, correm riscos de gente grande. Primeiro foi o caso da Eloá, a menina de 15 anos que namorava um desajustado há três. Pra mim, dos 12 aos 15 ainda se é praticamente uma criança. Como alguém nessa faixa etária vive uma relação com uma carga de passionalidade tão intensa, tão adulta? Enfim, a menina foi uma vítima, lógico, mas cabe a nós, pais e mães, colar neles: com quem se envolvem, o que revelam através do Orkut, a quem estão se anunciando? A propósito, soube que há uma nova moda pegando na Austrália: as garotas vão para a praia com o número do celular pintado nas costas. Um convite pra encrenca. Mais um.

Outra notícia desalentadora foi a do menino de 18 anos que faleceu por causa de uma bala perdida disparada numa festa. Acontece todos os finais de semana em bairros da periferia, mas quando atinge um estudante universitário a visibilidade da notícia se expande. No entanto, o drama e as dúvidas são as mesmas para todas as famílias: quem controla o porte de arma numa festa? E mesmo quando esse tipo de tragédia acontece do lado de fora do recinto, como começa? Creio que a resposta está no início do texto: bebida à vontade para uma garotada em busca de afirmação. Infelizmente, muitos adolescentes não são orientados ou não desenvolvem a segurança necessária para ir contra o rebanho. Se todos bebem, eles bebem também. Não sabem se divertir com o entusiasmo que naturalmente possuem: precisam potencializá-lo. Aí exageram e entram num estado de exaltação que faz com que provoquem brigas desnecessárias, façam sexo sem uso de preservativos, dirijam em alta velocidade, ferrem com a própria saúde. Ou com a vida de alguém.

Sei que estou dando uma de madre superiora, mas nunca é demais bater nessa tecla do exagero. O adolescente vai sempre cometer excessos, faz parte da sua natureza, mas o mínimo que os pais podem fazer é não tratá-los como adultos antes da hora. Nada de aceitar que meninas de 15 se comportem como mulheres vividas e de aceitar que meninos de 16 cantem de galo. A marcação tem que ser mais cerrada. É proibido dirigir e beber antes dos 18. Ponto final. É inegociável. Não adianta eles chegarem em casa dizendo “foi mal” e no dia seguinte vacilarem de novo. Uma briga pode causar uma morte. Um amasso pode gerar uma gravidez indesejada. Um pega pode acabar em tragédia. Foi mal? Pode ser péssimo, crianças.”

Precisa falar mais? Não!!!

Luz e Paz,

Marilda Jorge

2 comentários:

Um Pai disse...

Muito bom!
Se a mania pega estamos fritos!!!
Vamos mudar...

Marilda Jorge disse...

É isso ai!
Criança é criança e deve viver como tal...
Felicidades Pai na educação de seus filhos.
Luz e Paz!

Site Meter