Seguidores

domingo, 3 de agosto de 2008

Tempo que foge

Texto enviado por Ramiro Ros, obrigada pela colaboração.

"Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquele menino que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ele chupou displicentemente, mas percebendo que sobraram poucas, rói o caroço das que restam.

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados. Não tolero gabolices. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

Já não tenho tempo para projetos megalomaníacos. Não participarei de conferências que estabeleçam prazos fixos para reverter a miséria do mundo.
Não quero que me convidem para eventos de um fim de semana com a proposta de abalar o milênio.

Já não tenho tempo para reuniões intermináveis para discutir estatutos, normas, procedimentos e regimentos internos. Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos.

Não quero ver os ponteiros do relógio avançando em reuniões de "confrontação", onde "tiramos fatos à limpo". Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram
pelo majestoso cargo de secretário do coral.

Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou:
"as pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos".
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos.

Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita para a "última hora"; não foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, e deseja andar humildemente com Deus.

Caminhar perto delas nunca será perda de tempo."

4 comentários:

Lauro Gaucho-R.S. disse...

Tenho muitos anos no costado, já trabalhei muito, vivi muito, bebi muito e se pudesse voltar para tras, faria esatamente o que o menino falou... jamais daria minhas jabuticabas e cuidaria melhor delas.
Só a idade nos ensina a dar valor para as pequenas coisas. Hoje com 80 anos e muito triste vejuo quanto tempo perdi. Perdi familia, perdi o emprego, perdi a dignidade e esta é a pior parte. Marilda voce atende velhos como eu? Gosto muito do seu blog e de voce minha amiga sábia.

andrey Aspetta disse...

Legal esse texto!!!
Como eu digo sempre, o mais importante na vida é estarmos conscientes de todos os processos que vivemos. De não desperdiçar o nosso tempo com assuntos e problemas que só complicam a nossa vida.
E, como diz o Roberto Shinyashiki em um de seus textos, aproveite para comer os morangos! Leia texto completo em:

http://www.meusonho.trix.net/reflexoes/194.htm

Não vamos nos deixar abater pelos problemas! Vamos à luta! Enqto estivermos vivos, estamos aptos à crescer. Sem arrependimentos, sem tristezas. Só crescemos através da mudança. Portanto, mude ... e coma os morangos!!!!

Parabéns pelo Blog!!!!

Andrey, from Venice!

Marilda Jorge disse...

Sr. Lauro que prazer ter alguém com vontade de viver sempre! Sabia que o senhor é um exemplo para a maioria das pessoas? Claro que trato do senhor, para mim não existe idade cronológica e sim,idade mental... rsos... e o senhor é uma pessoa especial.
O meu e-mail é: marildajorge@gmail.com
E o meu telefone é: (11)3375-6664.
Muita Luz e Paz e continue com esta vitalidade.

Marilda Jorge disse...

Olá amigo!
Você sempre nos visitando e deixando mensagens maravilhosas. Gostaria que todos participassem como você.
Beijos e muita Luz e Paz.

Site Meter